Brandos Costumes e Xenofobia

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 2:13 am

.

ESTA onda de xenofobia desorienta.
Sei que o País dos Brandos Costumes, de “brando”, não tem nada.
…Mas tanto?!
.
Até me sinto ridícula em afirmar que estou do lado de Todo-o-Mundo!
E mais, sendo Mulheres, estamos todas ao mesmo nível – Somos todas alvo dos mesmos movimentos machistas, exclusivistas, e ainda por cima, um sector do Todo Feminino que formamos, é vítima desta desenfreada xenofobia.
.
Mas estamos unidas, e a Razão, a pura Razão, há-de estar do nosso lado. Não as desconfianças.
.
Como pode um sector dos Portugueses/Portuguesas, sentir ressentimento para com os Afro-Europeus?
Quem foi que tingiu de sangue e sofrimento os litorais africanos? 
…E não me venham com o argumento estafado de que os “africanos vendiam o seu povo”. A ganância e a crueldade são de todas as latitudes e de todos os tempos. 
O que é de “lamentar” – oh, como as palavras são insuficientes – o que é de repudiar, é que no século XXI ainda haja uma camada da nossa população que se mostra desorientada ao ver que todos temos o direito de nos cruzarmos na rua, na praça, nas lojas, nas universidades ou na vida política, todos e todas à mesma altura, e todos e todas com os mesmos direitos.
Só existe uma realidade na vida – o Ser Humano.
Sejamos todos Humanos! No sentido mais elevado e mais nobre do termo. Não me entendam mal: não é por caridade. É porque é de Direito.

.

Publicado por Myriam Jubilot de Carvalho, aqui e no FB. Em 14 de Outubro, pelas 3h 12m

.

.

.

Renovação no Parlamento português

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 2:55 pm

.

Novos rostos no Parlamento português

.

O resultado das eleições do passado dia 6 deste mês vem imprimir uma grande renovação à nossa sociedade.
Estas três deputadas, recém-eleitas, são Afro-Europeias. 
Africanas pela ascendência e cultura materna, mas também Europeias pela Cultura adquirida no país onde vivem, quer pelas suas vivências pessoais, quer pelos seus estudos universitários. 

Estamos todos de parabéns, porque a sua eleição representa um avanço na actualização e modernização do nosso viver colectivo. 
Isto é, no século da Globalização, ficam para trás, felizmente, as considerações de origem geográfica que nos inferiorizavam a todos.
Esperamos que a sua presença no Parlamento traga o contributo que nos faltava para a total abertura da mentalidade colectiva à presença dos Afro-Europeus no país colonizante que fomos, e que ainda não deixámos completamente de ser.
Senão, como se compreenderá que uma das praças públicas mais belas da nossa capital ainda continue a ser designada como “Praça do Império”?

.

Publicado por Myriam Jubilot de Carvalho,

em 8 de Outubro de 2019, pelas15h 55m

Igualmente no FB

.

.

.

A sabedoria dos provérbios

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 11:31 pm

.

Só esta noite vi o último Eixo do Mal (programa da SIC Notícias, quintas-feiras à noite) – um programa que muito aprecio e que em geral não perco.
Na última parte do programa, os convidados referiram-se, com indignação e muito bem, ao modo insultuoso com que um certo segmento da opinião pública tem acolhido a activista Greta Thunberg.
.
Isto eles não disseram, mas eu digo:
Esse falejar indignado deve-se a dois aspectos:
1- As actividades de defesa da Natureza e do Planeta incomodam as grandes indústrias. Toda a gente percebe isso.
2- As pessoas comuns incomodam-se só de pensarem que têm de mudar os seus hábitos. E é isto que as pessoas não querem perceber.
.
Bruce Chatwin cita o provérbio indiano:
Life is a bridge. Cross over it, but build no house on it.
Na tradução portuguesa – “Canto Nómada” – vem na pág 219 – “A vida é uma ponte. Atravessa-a, mas não construas nela nenhuma casa.”
Jesus Cristo, segundo rezam as crónicas, também disse, no famoso e magistral Sermão da Montanha:
“Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam, contudo vos digo que nem Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles.”
Mas a nossa “civilização” ultrapassou em muito esta sabedoria, e o resultado está à vista. Ainda Bruce Chatwin (na pág 164):
“O mundo, se algum futuro tem, há-de ser um futuro ascético.”

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho, em 2 de Outubro de 2019, pelas 0h 30m

.

.

.

Vozes fátuas

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 1:15 pm

.

Erguem-se vozes porque o Reitor da Universidade de Coimbra definiu que não haja carne de vaca na Cantina da Universidade.
Vozes que são por um lado conservadoras-comodistas quanto aos velhos hábitos e recusando olhar seriamente para o Presente, e o Futuro ameaçado, preferem continuar nas suas vidas despreocupadas.
Vozes por outro lado preocupadas com os prejuízos económicos que uma conscientização mais eficaz possa provocar.
E vozes que devendo ser responsáveis, vão dando “uma no cravo e outra na ferradura”, fazendo humor da forma mais banal e irresponsável ridicularizando um tema tão grave.
.
E no entanto, TODOS temos a obrigação premente de saber que há urgência em renovarmos os nossos comportamentos.

.

© Myriam Jubilot de Carvalho,

22 de Setembro de 2019, pelas 14h 14m

.

.

Greta Thunberg

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 2:58 pm

Esta Menina comove-me duplamente:

=Por um lado, encontrou maneira de converter o seu handicap em energia e actividade positiva;

=Por outro lado, iniciou uma luta maior do que ela e que nos compromete a todos nós!

.

.

Publicado por Myriam Jubilot de Carvalho, em 11 de setembro de 2019,

pelas 16h.

.

.

I am not your negro – no Canal 2

* Antologia,* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 12:41 am

.

O grande, notável, James Baldwin acaba de passar no Canal 2, nesta noite de Domingo.
“I am not your negro” é um estudo-documentário impressionante de lucidez.

.

I am not your negro termina com estas palavras que, de certo modo, podem muito bem ajustar-se ao “País dos Brandos Costumes” que ainda se encontra em psicose de negação:
.

“Vocês não podem linchar-me e manter-me em guetos sem se tornarem vós mesmos qualquer coisa de monstruoso. Além disso, oferecem-me uma vantagem aterradora. Vocês nunca tiveram que olhar para mim. Eu tive que olhar para vós. Sei mais sobre vocês do que vocês sabem sobre mim.

Nem tudo o que pode ser encarado, pode ser alterado. Mas nada pode ser alterado, sem ter sido encarado.

A História não é o passado. É o presente. Transportamos a nossa História connosco. Se fingirmos o contrário, somos literalmente criminosos.

Eu testemunho isto: O mundo não é branco. Branco é uma metáfora para o poder.”

.

“I Am Not Your Negro: Race, Identity, and Baldwin” with Raoul Peck, Academy award-nominated director of the documentary “I Am Not Your Negro”. Based on James Baldwin’s unfinished manuscript. October 18, 2017.

Com a devida vénia,

publicado por

Myriam Jubilot de Carvalho

Segunda -feira, 19 de Agosto de 2’19, cerca de 1h 40m

.

.

 

PROFESSORES A MAIS?!

* Educação e Criatividade,* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 1:13 pm

.

PROFESSORES A MAIS?!
.
ESTA GENTE DIZ CADA UMA!
Já algum deles deu aulas a 30 miúdos ou jovens, todos na mesma sala, cada turma com a sua percentagem de mal-educados e desinteressados?! Com programas e métodos por vezes, desajustados. Sem lugar para a criatividade quer na Escrita, quer  nas Artes visuais, na Música, na Expressão corporal…
SABEM do que FALAM?
.
O ENSINO PÚBLICO é para ser ACARINHADO, É o FUTURO do País que é posto em causa! Não pode nem deve ser AMESQUINHADO!
O Ensino Público é um investimento inestimável cuja rentabilidade não é visível no imediato. Esta afirmação é tão notória e evidente que até poderíamos dizer que já o Senhor de La Palice diria o mesmo!
.

Já diminuíram os programas de Humanidades! Como se fosse possível formar jovens sem lhes apresentar a marcha cultural da Humanidade…

No actual retrocesso a que o Ensino está a ser sujeito, só conta o Ensino técnico baseado no domínio da Informática?

HOJE, tal como ONTEM – De que valem a informática ou qualquer outra Técnica – se o seu utilizador não tiver a sua sensibilidade educada?!

.

Por que não pensam os políticos em diminuir as suas rendas ou ordenados? Se há famílias inteiras a sobreviverem com os miseráveis 600€ por mês, porque não se pensa que certas carreiras auferem demasiado?
.
Por que motivo não se oferecem os livros escolares, vendidos a preços exorbitantes, a todos os níveis de Ensino? Vi reportagens na TV em que vários casais afirmavam que poupavam durante todo o ano (!) para poderem adquirir os livros escolares dos filhos…
.
Por que é que as Artes e os Artistas, a Investigação Científica e os Investigadores, não têm melhor protecção e incentivos?
.
Há países em que os Professores e o Ensino são objecto de verdadeiro respeito!
.
Sempre tive tanta consideração por Rui Rio, mas por vezes, desilude-me.

.

VER:

Rui Rio. “Temos de emagrecer, se possível, a Administração Pública”

https://sol.sapo.pt/artigo/666118/rui-rio-temos-de-emagrecer-se-possivel-a-administracao-p-blica-

“Ou seja, é preciso avaliar a Administração Pública, perceber onde há carências ou não. E até deu exemplos: “Há professores a mais, infelizmente, o que significa que temos um problema de natalidade”.”

.

Publicado aqui no Blogue e no FB, por

Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 25 de Julho de 2019, pelas 14h 12m

.

.

 

Mais faz quem quer

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 5:17 pm

.

Mais faz quem quer do que quem pode – diz um provérbio português.

.

Este considerando confirma-se através das iniciativas de pessoas maravilhosas que levaram a cabo iniciativas que podem mudar o futuro do planeta.

Referimo-nos às iniciativas de recuperação dos solos sujeitos a desertificação quer por causas naturais quer pela desordenada acção humana.

.

Já aqui falámos da criação do GREEN BELT MOVEMENT, pela queniana WANGARI MAATHAI, prémio NOBEL DA PAZ em 2004 e INDIRA GANDHI PEACE PRIZE em 2006.

A partir da sua iniciativa de criação de uma cintura verde em volta das cidades e outras povoações, nasceu a criação de uma zona de floresta na faixa sul do Sahara, uma floresta que se vai expandindo como tampão à desertificação.

.

Outra iniciativa de projecção mundial é a do casal LÉLIA WANICK SALGADO e SEBASTIÃO SALGADO, que fundaram o Instituto Terra, no Brasil.

Na ausência de Sebastião Salgado, frequentemente em viagens de reportagem fotográfica pelo mundo, Lélia Wanick Salgado empreendeu a reflorestação da vasta propriedade que o casal herdara do pai do famoso fotógrafo.

Esta iniciativa ganhou tais proporções que o casal teve que solicitar o apoio do Estado, e assim nasceu o INSTITUTO TERRA.

.

Recentemente, tive conhecimento da atribuição do RIGHT LIVELIHOOD AWARD 2018, o chamado prémio Nobel Alternativo, ao agricultor YACOUBA SAWADOGO, que pacientemente perseverou na utilização de métodos tradicionais de plantio de árvores e assim foi recuperando terrenos que se tinham tornado áridos.

“Desde 1980, durante um período de seca severa, Sawadogo deu vida entre Burkina Faso e Níger a mais de 40 hectares de florestas em terras anteriormente estéreis e abandonadas. Hoje, mais de 60 espécies de árvores e arbustos prosperam. Esta é, sem dúvida, uma das florestas mais diversificadas plantadas e geridas por um agricultor do Sahel.”

.

Wangari Maathai era bióloga, e Lélia Salgado é arquitecta. Mas que eu saiba, Yacouba Sawadogo não tem estudos universitários. Yacouba Sawadogo baseou-se nos conhecimentos tradicionais para reter as águas das chuvas e com esses procedimentos preservar a humidade dos terrenos. Yacouba Sawadogo confiou nos conhecimentos acumulados pela experiência prática dos seus antepassados!

A lição que eu tiro daqui, é que precisamos de olhar com AMOR para o ambiente em que vivemos. Para o preservarmos. E assim deixarmos uma herança positiva aos nossos descendentes.

 

Fontes:

.

Sobre o GREEN BELT MOVEMENT e a sua criadora:

https://www.greenbeltmovement.org/who-we-are

ou

https://www.nobelprize.org/prizes/peace/2004/maathai/biographical/

.

Sobre o INSTITUTO TERRA e a acção do casal Lélia e Sebastião Salgado:

Sebastião Salgado e Lélia Wanick Salgado contam a história do Instituto Terra

https://www.youtube.com/watch?v=W12TjUIkjMY

.

Sobre YACOUBA SAWADOGO:

https://educezimbra.wordpress.com/2018/12/19/yacouba-o-agricultor-que-semeou-o-deserto-ganha-o-nobel-alternativo/?fbclid=IwAR2RhclV3ZRsdkFmZxXFDOSrTdh-pQxohara9k2UI86_4fZ-31qSWJY2hd4

ou:

https://www.greenme.com.br/informar-se/agricultura/1911-replantar-o-deserto-recuperando-fertilidade-solo

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 22 de Junho de 2019, pelas 18h 19m

.

.

 

Dois livros para ler a par e passo

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 7:29 pm

.

Sugestão de leitura:

.

Na altura em que publiquei aqui o post sobre Notre-Dame, esqueci-me de anotar este pormenor:

Li, em paralelo, ou talvez mais explicitamente, a par e passo, os dois livros citados nesse post, Os Templários, e As Cruzadas vistas pelos Árabes.

Foi um exercício muito proveitoso. Pois a informação fornecida por cada um dos autores, é obviamente coincidente.

No entanto, a narrativa de Amin Maalouf  amplia a nossa perspectiva crítica, pois transmite-nos os sentimentos dos povos do Próximo Oriente que se viram sem mais nem menos invadidos pelos Europeus.

.

Referências:

Os Templários, de Piers Paul Read; ed. Imago, Rio de Janeiro, 2001;

As Cruzadas vistas pelos Árabes, de Amin Maalouf; ed DIFEL, 10ª ed, 2001

.

Publicado por

Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 5 de Maio de 2014, pelas 20h 25m

 

Onde está o Sul do Tejo?

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 10:58 am

.

Onde está o Sul do Tejo?
.
Ainda acontece. Quando por vezes tenho que dizer que sou algarvia, alguém reage e dá um salto na cadeira, abre uma gargalhada inoportuna, e exclama com uma expressão que não sei exactamente definir, mas que não sinto agradável:
– Ah! Sua moura!
– Com que então, és moura?!
Moura ou não, nasci no Sul, e nisso tenho grande prazer.
.
Isto vem a propósito da reportagem que eu estava a ouvir na Antena 2, sobre o concerto de abertura de Os Dias da Música, no Centro Cultural de Belém.
Aos microfones da Antena 2, anunciava-se que iam actuar coros infantis e juvenis de Lisboa, Porto, Coimbra e Aveiro. E claro, o comentário surgiu, neste teor:
– É uma participação a nível nacional!
.
Eu gostaria de ter podido perguntar:
-Como?! Lisboa-Porto-Coimbra-e Aveiro – Isso diz respeito ao conjunto nacional – Ou será apenas uma fracção não representativa do país?!
E o Interior?
E o Sul – todo o Sul?!
.
Como este caso não é único, muitas vezes me pergunto: “Haverá, neste olvido, alguma responsabilidade das pessoas do Sul?! Serão os Algarvios que não se fazem lembrar, que se deixam ficar no seu canto, à espera que figos e amêndoas caiam das árvores?!”
Ou será ainda o velho sentimento discriminatório de que o Sul foi conquistado pelo Norte? Mas isso aconteceu no séc XIII, vai para 800 anos! Ainda viveremos nós sob o peso das ondas de choque da Reconquista?
.
Segundo julgo saber, o Sul continuou com a designação de “Reino dos Algarves” apenas porque os reis portugueses achavam pomposo contar com esse título na arreata de títulos que ostentavam.
Ainda os nossos últimos reis ostentavam a lista de títulos que rezava: “Pela Graça de Deus, Rei (ou Rainha) de Portugal e dos Algarves, d’Aquém e d’Além-Mar em África, Senhor(a) da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc.”
Nessa enfiada de títulos, tinha tanto significado mencionar o Reino dos Algarves como o etc final!
Ou seja – A frase-feita de que “Portugal é Lisboa e o resto é conversa” continua a ter peso na expressão oficial nacional.

.

Nós, os Algarvios, mouros ou não, temos muito orgulho na nossa herança ancestral feita da fusão de tantas culturas e religiões, sobretudo mediterrânicas e do Próximo Oriente, que nesta região deixaram a sua marca:

Aos antigos Iberos (provavelmente oriundos do Norte de África) que se fixaram mormente na zona oriental da Península, vieram juntar-se os Celtas, oriundos da Europa do Norte e Central. Estes fixaram-se sobretudo no Ocidente peninsular. Esses grupos viveram uma maior fusão na zona central da Península.

Ao longo dos séculos, muitos outros povos demandaram a Península, e mais ou menos pacificamente, aqui se fundiram com os povos já aqui fixados:

Fenícios (Palestina – Próximo Oriente). Ao tempo da chegada dos Fenícios já prosperava no Sul peninsular, o Reino de Tartessos, com cultura própria e já com domínio da Escrita – a ainda não decifrada Escrita do Sudoeste. Gregos (sul da Europa Oriental), Cartagineses (meio Fenícios meio Berberes – Norte de África). Romanos. Judeus (meio Egípcios meio Fenícios ou Palestinos). Vândalos e Suevos (Norte da Europa). Alanos (Norte do Irão, Planalto do Pamir). Visigodos (Norte da Europa).    Bizantinos (sul da Europa Oriental e Próximo Oriente, em parte uma evolução da Cultura Grega). Berberes (Nordeste de África, mais ou menos Arabizados). Cultura Árabe, que absorveu marcas que vão da Síria ao Iémen, e ao Irão.

A tudo isto, veio sobrepor-se o legado de uma fracção esquecida da nossa população – a herança genética e cultural dos Escravos Africanos, vindos de diferentes paragens do imenso continente africano, e que igualmente ao longo de vários séculos, se fundiram com a população que os aprisionava, explorava e oprimia.

Resta acrescentar que as belas Lendas de Mouras Encantadas são muito provavelmente reminiscências da Cultura Celta, com o seu culto da Natureza.

Posto isto, como não nos orgulharmos da riqueza compósita do nosso ADN físico e cultural?

 

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Aqui no blogue, em 27 de Abril de 2019

No FB, na noite anterior.

.

 

 

Next Page »
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity