Mais faz quem quer

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 5:17 pm

.

Mais faz quem quer do que quem pode – diz um provérbio português.

.

Este considerando confirma-se através das iniciativas de pessoas maravilhosas que levaram a cabo iniciativas que podem mudar o futuro do planeta.

Referimo-nos às iniciativas de recuperação dos solos sujeitos a desertificação quer por causas naturais quer pela desordenada acção humana.

.

Já aqui falámos da criação do GREEN BELT MOVEMENT, pela queniana WANGARI MAATHAI, prémio NOBEL DA PAZ em 2004 e INDIRA GANDHI PEACE PRIZE em 2006.

A partir da sua iniciativa de criação de uma cintura verde em volta das cidades e outras povoações, nasceu a criação de uma zona de floresta na faixa sul do Sahara, uma floresta que se vai expandindo como tampão à desertificação.

.

Outra iniciativa de projecção mundial é a do casal LÉLIA WANICK SALGADO e SEBASTIÃO SALGADO, que fundaram o Instituto Terra, no Brasil.

Na ausência de Sebastião Salgado, frequentemente em viagens de reportagem fotográfica pelo mundo, Lélia Wanick Salgado empreendeu a reflorestação da vasta propriedade que o casal herdara do pai do famoso fotógrafo.

Esta iniciativa ganhou tais proporções que o casal teve que solicitar o apoio do Estado, e assim nasceu o INSTITUTO TERRA.

.

Recentemente, tive conhecimento da atribuição do RIGHT LIVELIHOOD AWARD 2018, o chamado prémio Nobel Alternativo, ao agricultor YACOUBA SAWADOGO, que pacientemente perseverou na utilização de métodos tradicionais de plantio de árvores e assim foi recuperando terrenos que se tinham tornado áridos.

“Desde 1980, durante um período de seca severa, Sawadogo deu vida entre Burkina Faso e Níger a mais de 40 hectares de florestas em terras anteriormente estéreis e abandonadas. Hoje, mais de 60 espécies de árvores e arbustos prosperam. Esta é, sem dúvida, uma das florestas mais diversificadas plantadas e geridas por um agricultor do Sahel.”

.

Wangari Maathai era bióloga, e Lélia Salgado é arquitecta. Mas que eu saiba, Yacouba Sawadogo não tem estudos universitários. Yacouba Sawadogo baseou-se nos conhecimentos tradicionais para reter as águas das chuvas e com esses procedimentos preservar a humidade dos terrenos. Yacouba Sawadogo confiou nos conhecimentos acumulados pela experiência prática dos seus antepassados!

A lição que eu tiro daqui, é que precisamos de olhar com AMOR para o ambiente em que vivemos. Para o preservarmos. E assim deixarmos uma herança positiva aos nossos descendentes.

 

Fontes:

.

Sobre o GREEN BELT MOVEMENT e a sua criadora:

https://www.greenbeltmovement.org/who-we-are

ou

https://www.nobelprize.org/prizes/peace/2004/maathai/biographical/

.

Sobre o INSTITUTO TERRA e a acção do casal Lélia e Sebastião Salgado:

Sebastião Salgado e Lélia Wanick Salgado contam a história do Instituto Terra

https://www.youtube.com/watch?v=W12TjUIkjMY

.

Sobre YACOUBA SAWADOGO:

https://educezimbra.wordpress.com/2018/12/19/yacouba-o-agricultor-que-semeou-o-deserto-ganha-o-nobel-alternativo/?fbclid=IwAR2RhclV3ZRsdkFmZxXFDOSrTdh-pQxohara9k2UI86_4fZ-31qSWJY2hd4

ou:

https://www.greenme.com.br/informar-se/agricultura/1911-replantar-o-deserto-recuperando-fertilidade-solo

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 22 de Junho de 2019, pelas 18h 19m

.

.

 

Dois livros para ler a par e passo

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 7:29 pm

.

Sugestão de leitura:

.

Na altura em que publiquei aqui o post sobre Notre-Dame, esqueci-me de anotar este pormenor:

Li, em paralelo, ou talvez mais explicitamente, a par e passo, os dois livros citados nesse post, Os Templários, e As Cruzadas vistas pelos Árabes.

Foi um exercício muito proveitoso. Pois a informação fornecida por cada um dos autores, é obviamente coincidente.

No entanto, a narrativa de Amin Maalouf  amplia a nossa perspectiva crítica, pois transmite-nos os sentimentos dos povos do Próximo Oriente que se viram sem mais nem menos invadidos pelos Europeus.

.

Referências:

Os Templários, de Piers Paul Read; ed. Imago, Rio de Janeiro, 2001;

As Cruzadas vistas pelos Árabes, de Amin Maalouf; ed DIFEL, 10ª ed, 2001

.

Publicado por

Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 5 de Maio de 2014, pelas 20h 25m

 

Onde está o Sul do Tejo?

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 10:58 am

.

Onde está o Sul do Tejo?
.
Ainda acontece. Quando por vezes tenho que dizer que sou algarvia, alguém reage e dá um salto na cadeira, abre uma gargalhada inoportuna, e exclama com uma expressão que não sei exactamente definir, mas que não sinto agradável:
– Ah! Sua moura!
– Com que então, és moura?!
Moura ou não, nasci no Sul, e nisso tenho grande prazer.
.
Isto vem a propósito da reportagem que eu estava a ouvir na Antena 2, sobre o concerto de abertura de Os Dias da Música, no Centro Cultural de Belém.
Aos microfones da Antena 2, anunciava-se que iam actuar coros infantis e juvenis de Lisboa, Porto, Coimbra e Aveiro. E claro, o comentário surgiu, neste teor:
– É uma participação a nível nacional!
.
Eu gostaria de ter podido perguntar:
-Como?! Lisboa-Porto-Coimbra-e Aveiro – Isso diz respeito ao conjunto nacional – Ou será apenas uma fracção não representativa do país?!
E o Interior?
E o Sul – todo o Sul?!
.
Como este caso não é único, muitas vezes me pergunto: “Haverá, neste olvido, alguma responsabilidade das pessoas do Sul?! Serão os Algarvios que não se fazem lembrar, que se deixam ficar no seu canto, à espera que figos e amêndoas caiam das árvores?!”
Ou será ainda o velho sentimento discriminatório de que o Sul foi conquistado pelo Norte? Mas isso aconteceu no séc XIII, vai para 800 anos! Ainda viveremos nós sob o peso das ondas de choque da Reconquista?
.
Segundo julgo saber, o Sul continuou com a designação de “Reino dos Algarves” apenas porque os reis portugueses achavam pomposo contar com esse título na arreata de títulos que ostentavam.
Ainda os nossos últimos reis ostentavam a lista de títulos que rezava: “Pela Graça de Deus, Rei (ou Rainha) de Portugal e dos Algarves, d’Aquém e d’Além-Mar em África, Senhor(a) da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc.”
Nessa enfiada de títulos, tinha tanto significado mencionar o Reino dos Algarves como o etc final!
Ou seja – A frase-feita de que “Portugal é Lisboa e o resto é conversa” continua a ter peso na expressão oficial nacional.

.

Nós, os Algarvios, mouros ou não, temos muito orgulho na nossa herança ancestral feita da fusão de tantas culturas e religiões, sobretudo mediterrânicas e do Próximo Oriente, que nesta região deixaram a sua marca:

Aos antigos Iberos (provavelmente oriundos do Norte de África) que se fixaram mormente na zona oriental da Península, vieram juntar-se os Celtas, oriundos da Europa do Norte e Central. Estes fixaram-se sobretudo no Ocidente peninsular. Esses grupos viveram uma maior fusão na zona central da Península.

Ao longo dos séculos, muitos outros povos demandaram a Península, e mais ou menos pacificamente, aqui se fundiram com os povos já aqui fixados:

Fenícios (Palestina – Próximo Oriente). Ao tempo da chegada dos Fenícios já prosperava no Sul peninsular, o Reino de Tartessos, com cultura própria e já com domínio da Escrita – a ainda não decifrada Escrita do Sudoeste. Gregos (sul da Europa Oriental), Cartagineses (meio Fenícios meio Berberes – Norte de África). Romanos. Judeus (meio Egípcios meio Fenícios ou Palestinos). Vândalos e Suevos (Norte da Europa). Alanos (Norte do Irão, Planalto do Pamir). Visigodos (Norte da Europa).    Bizantinos (sul da Europa Oriental e Próximo Oriente, em parte uma evolução da Cultura Grega). Berberes (Nordeste de África, mais ou menos Arabizados). Cultura Árabe, que absorveu marcas que vão da Síria ao Iémen, e ao Irão.

A tudo isto, veio sobrepor-se o legado de uma fracção esquecida da nossa população – a herança genética e cultural dos Escravos Africanos, vindos de diferentes paragens do imenso continente africano, e que igualmente ao longo de vários séculos, se fundiram com a população que os aprisionava, explorava e oprimia.

Resta acrescentar que as belas Lendas de Mouras Encantadas são muito provavelmente reminiscências da Cultura Celta, com o seu culto da Natureza.

Posto isto, como não nos orgulharmos da riqueza compósita do nosso ADN físico e cultural?

 

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Aqui no blogue, em 27 de Abril de 2019

No FB, na noite anterior.

.

 

 

Notre-Dame

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 11:30 am

.

Notre-Dame

Assiste-se a um lamento tão profundo pela perda de Notre-Dame e pelos seus 850 anos de História, que sinto que devo postar este apontamento. Talvez possa recordar alguns factos a quem ande esquecido, ou trazer algum esclarecimento a quem os ignore.

Em primeiro lugar, a Notre-Dame que todos conhecemos, é o fruto do restauro a que se procedeu no século XIX.

Viollet-le-Duc foi o arquitecto desse profundo restauro. Inclusive, foi ele o autor do famoso pináculo de Notre-Dame. Ou seja, a “flèche” que tanto nos deslumbrava, tinha mais ou menos um século e meio de história, não mais. Em segundo lugar, recordo este detalhe que muita gente ignora, e que diz respeito ao surgimento do Gótico, esse estilo arquitectónico que é um dos grandes orgulhos dos Europeus.

Seria bom perguntarmo-nos como nasceu o Gótico.

Os príncipes europeus da Idade Média digladiavam-se entre si. O que muito preocupou o papa Urbano II (1035-1099).

Cerca de 1095, o imperador de Bizâncio, Alexios I Komnenos, pediu ajuda ao Papa pois as suas fronteiras estavam sob ataque dos Turcos Seldjúcidas.

Urbano II achou que uma maneira de livrar os seus súbditos de tanta belicosidade, seria endereçá-la para outras paragens. Esse apelo de Alexios I veio dar-lhe a oportunidade. Urbano II incitou a Cristandade ocidental a ir combater os Muçulmanos tendo em vista a libertação da Terra Santa.

A pregação de Urbano II deu origem à I Cruzada (1095-1099), e às muitas outras que se lhe seguiram.

Foi esse desvio para outras paragens, do estado de guerra em que vivia a Europa. que deu origem ao chamado Renascimento do século XII: No século XII acontece uma notável renovação económica e cultural. É nesse “renascimento” que surge o estilo Gótico: as cidades competiam entre si, a ver qual delas ergueria a catedral mais alta e sumptuosa. As catedrais góticas não são apenas o testemunho de fé de que por vezes se fala. São sobretudo um testemunho de poder.

.

Claro que presenciar este incêndio foi um grande choque. Notre-Dame foi justamente classificada como Património da Humanidade, um dos expoentes da Cultura Europeia. Também me vieram as lágrimas aos olhos ao ver aquele espectáculo infernal.

Mas as televisões deram grande relevo a aspectos que eram fruto da ignorância. E fiquei sem saber se era a ignorância ao serviço da propaganda, ou se era a propaganda a servir-se da ignorância. O que vai dar praticamente ao mesmo. E depois, há este olhar para o umbigo por parte da cultura europeia. E isso incomoda-me. Não se vê espírito crítico. Há quem diga que os erros do Passado já não têm remédio, e então é deixá-los para trás. Mas não pode, ou não deve ser assim. Essa auto-complacência leva à perpetuação dos mesmo comportamentos – a tão apregoada grandeza da cultura europeia tem sido feita à custa de outras culturas- A cultura (economia, prestígio, riqueza…) europeia é essencialmente predatória. Na Idade Média como no século XIX, por exemplo…

.

Não se pense, porém, que não aprecio a cultura francesa. Claro que aprecio. Aliás, formei-me em Românicas. Mas gosto de ver os dois lados da Realidade, ou seja, os ídolos têm pés de barro:

Tal como foi recordado há poucos dias no canal TV5 Monde, a pena de morte só foi abolida em França em 1981.

Ou então recordemos que as mulheres francesas só obtiveram direito de voto após a II guerra mundial.

Não esquecendo que uma das receitas da França vem da indústria de armamento.

.

Referências:

Os Templários , de Piers Paul Read; ed. Imago, Rio de Janeiro, 2001;

As Cruzadas vistas pelos Árabes, de Amin Maalouf; ed DIFEL, 10ª ed, 2001

« Ces ventes d’armes sont-elles légales ? »

https://www.la-croix.com/Monde/ventes-darmes-sont-elles-legales-2018-03-20-1200922422

ENTRETIEN. Hélène Legeay, Responsable Maghreb-Moyen Orient à l’Action des chrétiens pour l’abolition de la torture (ACAT).

  • Recueilli par Laurent Larcher,
  • le 20/03/2018

*

Nota:

Esta crónica foi publicada no jornal de Moçambique onde costumo colaborar:

O Autarca – Jornal Independente, Quarta-feira – 24/04/19, Edição nº 3669 – Página 06/08

 

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 18 de Abril de 2019, pelas 12h 30m

.

.

 

Três livros que se completam mutuamente

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 3:10 pm

 

A Revolução Cultural chinesa e

os tempos pós-revolucionários

 

A Revolução Cultural chinesa foi lançada por Mao Tsé Tung em 1966, que através dela, pensou consolidar o seu poder apoiando-se na juventude do seu país.                      Conheço alguns testemunhos interessantíssimos sobre esse período:

Começo pelo relato auto-biográfico da pianista ZHU XIAO-MEI:

“O RIO E O SEU SEGREDO

Dos campos de Mao a Johann Sebastian Bach: o destino de uma mulher excepcional”

Zhu Xiao-Mei
Guerra e Paz Editores, 2007

Colecção A Ferro e Fogo.

Procurei na Net, a confirmação de que este livro corresponderia à realidade. Pois poderia tratar-se de uma ficção…

O livro é de facto um relato sobre a realidade:

A biografia, obviamente abreviada, desta pianista está na Wikipedia. Aí se conta que Zhu Xiao-Mei, nascida em 1949, actualmente vive em Paris, onde é professora no Conservatório.
Há também vários vídeos com gravações suas no YouTube, pois Zhu Xiao-Mei é especialista em Bach.

Zhu Xiao-Mei conta-nos como a sua vida de apaixonada estudante de piano se viu interrompida pelo turbilhão da Revolução Cultural. Conta-nos como as relações pessoais se tornaram impossíveis pela desconfiança e pelo medo, pois as pessoas eram levadas a denunciarem-se umas às outras por crimes políticos que nem sequer tinham cometido. Conta-nos que conseguiu fugir para os EEUU e como aos poucos foi retomando os seus estudos de piano, mercê da sua grande força-de-vontade e persistência.

O segundo testemunho é-nos dado através do romance:

À Espera 

Ha Jin
edições Gradiva, 2ª edição, 2000

O autor deste segundo título é o escritor chinês, romancista, contista e poeta, radicado nos EEUU, Ha Jin.
Ha Jin, nascido em 1956, conhece bem o seu país natal, e a sua História recente, pois na sua juventude, tomou parte na Revolução Cultural Chinesa. No entanto, quando ocorreu a tragédia de Tianannmen, em 1989, ele encontrava-se a estudar nos EEUU, com uma bolsa de estudos. Ha Jin não regressou à China. Optou por escrever em Inglês.
“À Espera” é uma história de amor enquadrada nos tempos que se seguem à Revolução Cultural Chinesa, e acompanha a abertura da política económica chinesa para um estilo de economia com maior margem para a iniciativa privada.
A história mostra também como a vida privada dos cidadãos chineses era controlada pelo Partido, dentro de um moralismo muito estrito.
O enredo é interessante, e conforme se aconselha para a técnica narrativa do “conto”, tem um final inesperado.

O terceiro testemunho dá-nos a conhecer a tragédia de Tiananmen, em 1989:

O Verão da Traição

Hong Ying

Edição Livros do Brasil

1ª edição, 2001

Hong Ying é uma poetisa e romancista chinesa, nascida em 1962. Vive em Londres, onde se radicou a partir de 1992.

“O Verão da Traição” é um romance cuja personagem principal é a poetisa Lin Ying. A acção passa-se nos dias imediatos aos protestos de Tiananmen, os quais a ditadura chinesa da época denominou apenas de “distúrbio”.

Nesta obra os aspectos políticos e literários estão interligados:

Ao nível da vida pessoal da protagonista, uma poetisa oriunda de alguma montanha do interior da imensa China, vemos todos os constrangimentos impostos pela censura moralista e de costumes exercida pelos rigores de extremo controlo do Partido Comunista Chinês. Ao nível político, há todos os constrangimentos determinados pela recuperação da situação por parte das autoridades dessa época. Censura, perseguições, acusações, denúncias, interrogatórios, confissões arrancadas sob tortura. Suicídios. Os intelectuais vêem-se isolados e ostracizados.

Mas há ainda outros níveis de leitura. As personagens discutem sobre as funções da Literatura, nomeadamente sobre Poesia; discutem sobre a Literatura Experimental, sobre a Liberdade, nomeadamente a liberdade sexual.

A autora desta obra é uma poetisa. Daí, que o aspecto mais importante desta obra seja o tratamento da linguagem, que é sempre poética. Tanto no ritmo, como na expressão. E o facto de a protagonista ser poetisa confere a esta pequena história um valor simbólico. Quando no final, os artistas – poetas, filósofos, jornalistas, músicos – se envolvem na orgia, Lin Ying desnuda-se. Ou seja, a Poesia representa e dá voz à alma real de um povo. Quando Lin Ying, a poetisa oriunda da montanha distante, copula com o desconhecido, a autora está a sugerir que a salvação da China está na sua alma ancestral.

 Conclusão 

Estas três obras descrevem-nos uma China recente – desde meados dos anos 60 até ao presente.

Mais uma vez se comprova como a Literatura e a História são irmãs gémeas, caminhando de mãos dadas – como eu gosto de dizer. A História descreve os factos, mas a Literatura fala-nos dos sentimentos, dos sonhos, dos feitos, e dos revezes – de quem viveu os factos descritos pala História.

Lembro-me de que o Professor Mário de Albuquerque, professor de História Medieval nos anos ’60, década em que tirei o curso na Faculdade de Letras de Lisboa, citava um professor de Direito, francês, que no início de cada ano lectivo aconselhava os seus alunos a lerem Poesia “antes de estudarem as leis” – para terem uma noção mais profunda e real do que são as motivações das pessoas que eles um dia teriam que julgar ou defender.

Actualmente os nossos programas reduzem os estudos de Humanidades… Um erro tremendo, que se pagará num futuro não muito distante. Aliás, esse futuro já é presente e já está mostrando as suas consequências – cabeças de ferro, corações fechados a cadeado, e olhos de cifrões. Ou então, talvez tenha sido sempre assim, e quem o denuncia terá sido sempre marginalizado… O que sei é que, se por um lado o ser humano sempre teve o seu lado “mau”, por outro lado, a sua perversidade sempre foi equilibrada pelas pessoas de sensibilidade. E acredito religiosamente que a sensibilidade educa-se, através do estudo e da prática das Artes! E é este equilíbrio que nunca se deveria perder…

.

Publicado por

Myriam Jubilot de Carvalho

 

 

 

AMOS OZ

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 11:52 pm

.

Morreu Amos Oz

Não acredito…
Morreu Amos Oz…
Foi em 2018, no dia 28 de Dezembro. Mas eu só soube agora…
O autor de um dos grandes livros da minha vida: “O Mesmo Mar” (1).
.
Conforme é dito no artigo abaixo citado:
Nasceu em 1939.
“De seu verdadeiro nome Amos Klausner – ao apelido do pai, preferiu Oz, que significa “força” ou “coragem”” …
.
“Recebi prémios suficientes”, respondeu, segundo o jornal israelita Haaretz, numa das vezes em que lhe perguntaram o que sentia sobre o facto de ainda não lhe ter sido atribuído o Nobel. “Se deixar este mundo sem nunca ter recebido o Nobel, ficarei bem. Vou contar-lhe um segredo: os prémios literários são uma coisa estranha. Eu escrevo livros tal como bebo água ou respiro. Eu não posso deixar de beber água, de respirar nem de escrever. Depois, as pessoas vêm e dizem: ‘Respiras lindamente’ ou ‘Bebes água tão bem que vamos dar-te um prémio.’ Escreveria os mesmos livros, ainda que tivesse de pagar multa por cada um deles – e há pessoas que gostavam de me ver pagá-la, eu sei disso.”
.
Ele era um pacifista. Isso é sabido. Foi o fundador do movimento “Paz Agora”. No entanto, limitou-se a condenar apenas a ocupação de Faixa de Gaza e da chamada West Bank; nunca condenou a ocupação inicial do território Palestiniano.
Conforme é referido no artigo abaixo citado: apesar de tudo, o seu pacifismo …”lhe valeu muitas vezes o epíteto de traidor. “Tendo a olhar isso como uma honra. Tem acontecido a muito boa gente ao longo da História. Quando me chamam traidor, sei que estou em excelente companhia”, “…
.
A sua humanidade: e se eu fosse o outro?
… “Acho que uma pessoa curiosa tem um pouco mais de moral do que um não-curioso, porque por vezes coloca-se na pele do outro. Penso ainda que um curioso é também um melhor amante. Até a minha abordagem à questão palestiniana, por exemplo, nasceu da curiosidade. Não sou um especialista em Médio Oriente, nem um historiador ou um estratego. Simplesmente perguntei a mim mesmo, desde muito novo, como seria se eu fosse um deles. É o que faço – levanto-me de manhã e pergunto-me: E se? É assim que vivo e é assim que escrevo.” 

.

VER artigo no PÚBLICO:

Título: Morreu o escritor Amos Oz, uma das principais vozes israelitas do campo da paz

____

(1)- O Mesmo Mar, de Amos Oz

Editores ASA, 1ª edição – 2003

.

Publicado por

Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 9 de Abril, por volta da 1h

.

.

 

Dia 8 de Março – Dia Internacional da Mulher, em 2019

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 2:31 pm

Mulheres quase desconhecidas, e certamente esquecidas
.

A origem da expressão “banho-Maria”
.
Maria foi uma alquimista judia, do século III aC. Inventou várias técnicas e utensílios de laboratório.
Uma dessas técnicas passou à posteridade sob a designação de “Balneum Mariae”.
A cozedura em “banho-maria” foi muito utilizada nas experiências químicas, ao longo dos tempos.
No entanto, foi muito vulgarizada por Albertus Magnus, no século XIII, e muita gente pensou que teria sido ele o seu inventor…

.
Hipátia de Alexandria
.
Hypatia foi grande matemática e astrónoma, bem como filósofa. Nasceu cerca de 355, e morreu em 415, em Alexandria.
A polaca Maria Dzielska estudou a história e o fim trágico de Hypatia.
Hypatia viveu num tempo perturbado. Foi brilhante no seu ensino das Matemáticas e Astronomia.
A sua formação filosófica inscreve-se no Neoplatonismo.
Mas escandalizou o ambiente do cristianismo nascente.
Foi assassinada.
O seu nome e memória tornaram-se símbolos do Feminismo.
.

Referências:

Sobre a alquimista Maria, citei de memória.

Sobre Hypatia de Alexandria, há o livrinho da relógio de Água ou aqui na Net, a Enciclopédia Britânica:

Hipátia de Alexandria, de Maria Dzielska, Relógio de Água, 2009

https://www.britannica.com/biography/Hypatia

Publicado por 

Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 8 de Março de 2019, pelas 14h 24m

.

.

 

Sobre a intervenção de Luzia Moniz na Assembleia da República do País dos Brandos Costumes

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 3:50 pm

A intervenção de Luzia Moniz sobre Fernando Pessoa na CPLP

.

No país dos Brandos Costumes, a ‘intelligensia’ machista toma por ídolos, personagens que só têm cérebro – seres individualistas, mutilados de coração, narcisos absolutos.

.
No regime salazarista, a juventude estudantil era alvo da massificação com a injecção forçada dos Lusíadas. Celebrava-se o “Camões Épico”.
Ignorando que o grande poeta que Camões foi, foi o Lírico. Aí, sim, Camões é universal.
Actualmente, afronta-se a juventude, com Fernando Pessoa.
Pessoa pode ter sido um grande poeta. Disso não teremos dúvidas. Mas escolhê-lo para patrono da juventude da CPLP?!
.
Poucas mulheres tenho visto capazes de afrontarem a ‘intelligensia’ portuguesa, machista e conservadora. Natália Correia terá sido a mais notável.
Recordo Natália Correia na Assembleia da República. Ia ser tomada a decisão sobre o destino de Isabel do Carmo e Carlos Antunes, então na prisão, em greve de fome.
E ao ver que os ânimos continuavam de pedra, Natália Correia levantou-se, e da tribuna apontou o dedo aos presentes, clamando-lhes:
– Seus corporativos! Seus corporativos!
.
No dia 30 de Janeiro, Luzia Moniz, socióloga, africana, afrontou a ‘intelligensia’ machista, com o denodo de uma voz que se ergue no deserto.
Recordou que Fernando Pessoa considerou a escravatura como uma necessidade.
Os textos em que ele o afirmou estão publicados, não constituem segredo.
A afirmação de Pessoa foi uma afirmação consciente, dura, irreplicável, determinada, e repetida.
.
No entanto, essa escolha não nos deve admirar. Num país onde uma das praças públicas da capital continua a chamar-se “Praça do Império”.
O sentimento imperialista, colonialista, continua vivo entre nós.
Só não entendemos como os outros representantes dos países africanos aceitaram tal designação.
Que espécie de modelo se pretende apontar aos nossos jovens?!
Pretende-se regredir ao nosso passado colonialista?!
Ou esse Passado nunca deixou de ser Presente?
.
Como não se mudam as vontades, os tempos ainda não mudaram. “Como construir um futuro salutar sem olhar para os erros do passado?” – é a grande interrogação de Luzia Moniz. E eu assino por baixo.

Deixo no post seguinte, a intervenção a que aqui me refiro.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 11 de Fevereiro de 2019, pelas 15h 50m

.

.

 

 

Como começa a Violência Doméstica?

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 4:29 pm
.
O país dos brandos costumes
.
Como começa a Violência Doméstica?
.
O país à beira-mar plantado, pacífico, feliz e despreocupado, não passa de uma poética ficção. Precisa de se ver ao espelho, precisa de enfrentar a realidade.
Há poucos dias, um Amigo do FB recordava MIGUEL DE UNAMUNO, com esta citação:
“A brandura, a meiguice portuguesa, não está senão à superfície; raspai-a e encontrareis uma violência plebeia que chegará a assustar-vos. Oliveira Martins conhecia bem os seus compatriotas. A brandura é uma máscara.” (1)
.

Na verdade, a violência doméstica em Portugal é um cancro que começa a ser encarado com a devida frontalidade. É alarmante este aspecto da nossa vida social, conforme se poderá comprovar com uma breve visita ao espelho das estatísticas da APAV. Segundo se tem noticiado, só no mês de Janeiro deste ano que acaba de começar, já foram assassinadas 9 (nove) mulheres.

.

Quais são então os sinais de alarme de que um relacionamento poderá tornar-se violento?

Oprah Winfrey, nos seus programas, insistia em cinco indícios:
.
1- Sinais muito precoces de compromisso ou co-dependência. O futuro agressor enreda precocemente a outra pessoa em laços que não são propriamente afectivos, mas emocionais;
2- Ciúme exacerbado, fruto de um exageradíssimo sentimento de posse;
3- O futuro agressor está acima do bem e do mal, faz tudo “por bem” e “por amor” argumentando com chantagens emocionais; não admite observações nem críticas, e reverte todo o mal-estar culpabilizando o ou a companheiro/a.
4-A futura vítima deixa-se tomar pelo medo. Aos poucos deixa de reagir.
5- O futuro agressor isola a pessoa com quem vive: evita e com o tempo consegue impedir que a (futura) vítima mantenha ligações com a família, e com as amizades anteriores ao relacionamento.
.
Quanto a mim, os piores sintomas são o ciúme delirante, a culpabilização do outro, e o isolamento a que a futura vítima se vê confinada. Fica completamente à mercê de um acto tresloucado.
.
E há um outro pormenor que eu acrescento:
A presença de armas em casa. Mesmo que o futuro agressor pareça que não virá a ser capaz de as usar… Nunca se sabe.
.
A violência física é um estádio avançado da violência psicológica.
Nos casos em que a violência fica “apenas” pela violência psicológica, a ordem dos indícios atrás apontados será diferente. Pode até nem se passar à violência física. 
Quando se trata “apenas” de violência psicológica, a chantagem emocional e consequente culpabilização do lado mais fraco definem o comportamento do agressor. E estas, exercidas sistematicamente, frequentemente acompanhadas de troça e escárnio, retiram à vítima a possibilidade de formar uma auto-imagem positiva.
E assim:
Crianças que sejam educadas neste clima, estarão condenadas, na grande maioria dos casos, a ficarem sempre dependentes de futuros predadores e agressores.
.
___________________________________
(1) –
Excerto de ‘Por terras de Portugal e da Espanha’, tradução de José Bento, Assírio & Alvim, 1989 / original de 1911.
.
.
.
Publicado por:

© Myriam Jubilot de Carvalho

Em 7 de Fevereiro de 2019, pelas 16h 29m

.

.

A Poesia tem género?

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 2:02 pm

.

A Poesia tem género?

.

À minha Amiga Marina Tadeu

.

Surgiu no FB alguém que defendeu o uso da expressão Mulher-Poeta.

Marina Tadeu, concordo consigo – é uma falsa questão.

A Língua Portuguesa compreende o uso de um mesmo substantivo (ou “nome”) nas duas formas, o Masculino e o Feminino. Daí, sempre tenho achado que esta é uma falsa questão. Um exemplo: Eu vou à “médica”, vou à “advogada”, falo de uma dada “escritora”, “ou escultora”, ou “actriz”; eu fui “professora” (não fui “professor”).
Então qual o problema de ser “Poetisa”?

Diz-se que as “poetisas” não fazem “grande poesia”. Mas isso é puro Machismo. Porque a cada passo vemos “poetisos” que não escrevem “grande poesia”.

.
A Poesia, como qualquer outra Arte, é a “grande”. E a Arte, em si, não tem género, nem sexo.
Quem é representante do género, são as pessoas que a praticam. Se à noite, quando faço amor, sou Mulher, porque não o serei quando escrevo?

.
Não é por se dizer “Mulher-Poeta” que aquilo que dada mulher escreve será de melhor qualidade!
Há quem diga que há que evitar a confusão com as Poetisas do séc XIX. Mas isso é pura Ignorância. Cada um e cada uma de nós exprime-se de acordo com o seu tempo!

As excepções (os “grandes” e as “grandes”) são daqueles, e daquelas, que vão à frente do seu tempo.

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 5 de Fevereiro de 2019, pelas 14h.

.

.

Next Page »
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity