* A Autora – perfil completo.

— Myriam de Carvalho @ 7:12 am

.

Myriam Jubilot de Carvalho

.

Maria de Fátima Oliveira Domingues é o meu nome civil.

Nasci em Tavira, em 1944, numa Segunda-feira de Carnaval. Sou Peixes.

Licenciei-me em Filologia Românica; dediquei a minha vida profissional ao Ensino, no 2º Ciclo do Ensino Básico, onde comecei por ser professora de Francês e depois, quando esta Língua perdeu o seu lugar prestigiado a favor do Inglês, passei a ser colocada como professora de Português.

Enquanto profissional do ensino, desempenhei todo o tipo de funções facultadas aos professores no tempo em que estive ao activo – tendo sido a orientação de estágios pedagógicos a experiência profissional que mais me atraiu.

Como pedagoga, cultivei nos alunos o gosto pela leitura e pelo diálogo, promovendo o desenvolvendo do seu espírito crítico, e estético, através da prática da leitura inteligente, da escrita criativa (prosa e poesia), da dramatização, a par do desenvolvimento do sentido de responsabilidade e de justiça tanto como seres individuais como elementos do colectivo – e isto sem cair em moralismos fáceis ou lugares comuns normativos. Embora nunca tenha praticado a metodologia Freinet, foi muito sob a sua inspiração, e a de Neil – que muitos consideram incompatíveis – que trabalhei. De modo geral, entendia-me bem com os alunos rebeldes e os desinteressados, conseguindo conquistar a sua simpatia e confiança através de uma auto-descoberta das suas próprias capacidades e do incentivo a que as desenvolvessem, daí decorrendo, muitas vezes, a recuperação de uma auto-imagem positiva, dado fundamental que muito contribuía para a sua reabilitação como seres humanos e como estudantes.

Em colaboração com um grupo de colegas, foi lançado um projecto pedagógico junto de jovens pré-marginais, numa zona degradada nos arredores da cidade onde vivo, mas mais por razões de época que outras, este projecto não conseguiu ir adiante.

Ensinei Português e Cultura Portuguesa na República da África do Sul durante pouco tempo, mas também esta experiência foi de grande enriquecimento para mim.

Aparentemente, os dados que acabo de referir pouco terão a ver com vida literária. Mas têm sem dúvida a ver com Poesia no mais amplo sentido que este conceito possa abranger. Orgulho-me de ter vivido a minha vida profissional com a dedicação com que o fiz, pois pus de tal modo a Arte com que Deus, ou o Universo, me dotou ao serviço das crianças que se cruzaram na minha vida, que sinto reconforto em pensar que esses anos de vida profissional, do ponto de vista emocional, afectivo e humano, não foram de modo algum tempo perdido.

Quando finalmente me encontrei bafejada pela boa onda da “reforma” – fiz (durante um ano lectivo) voluntariado numa Universidade Senior, onde desenvolvi de forma livre e pessoal, uma disciplina na área da Literatura.

Os meus interesses culturais situam-se no campo da história da cultura, ideias, pintura e escultura, religiões, música, com um fraco muito especial, além dos Gregos, pelo séc XII, o Alandalus – a terra das três culturas ou, como outros dizem, a cultura onde conviveram as três religiões do Livro –; e também a poesia Persa, e a Chinesa, antigas; cinema, teatro, etc, etc

Não sigo nenhuma religião enquanto instituição de hierarquias, poder, e dogmas; prefiro continuar fiel a um ideal universal de bem estar interior e justiça social – pelo que não sou filiada em nenhum partido político – pois acredito muito mais no poder da Arte como força impulsionadora de evolução das mentalidades do que no poder, sempre destruidor, das revoluções… (Este é um vasto tema, não vamos desenvolvê-lo aqui.) Escusado será dizer que sou livre, não revolucionária mas rebelde, e que combino os ideais do cristianismo, budismo, anarquismo também, naquela linha em que Ibn Arabi dizia – “Eu professo a religião do Amor” – pelo menos, tanto quanto possível!…

Sempre escrevi. Comecei por oscilar a minha assinatura literária entre Fátima Oliveira e o pseudónimo de Myriam Jubilot de Carvalho, acabando por fixar-me neste último – pois, assim como se diz que “há muitas Marias na Terra”, com muito mais razões se pode dizer que “há muitas Fátimas” – e quando se combinam Fátimas, Marias – e Oliveiras! – a confusão é total!

Fiz parte da direcção da Associação Cultural SOL XXI durante vários anos e colaborei na montagem de alguns Encontros Nacionais de Poesia promovidos por essa associação.

Só comecei a publicar a partir de 1987, quando comecei a conseguir equilibrar a vida profissional com algum convívio com o mundo das Artes. Tenho publicado conto, poesia, ensaio, uma breve amostragem de teatro para crianças – em páginas literárias de alguns jornais e revistas, tais como Revista Literária Sol XXI, Correio Beirão, Viola Delta, Letras & Letras, Artes & Artes,… bem como reportagens no Diário de Notícias e no Jornal de Sintra, estas últimas solicitadas por Amigos meus, colaboradores destes dois jornais. A partir de 2014, tenho mantido colaboração regular no jornal moçambicano, da Beira, O AUTARCA.

Estou representada em colectâneas e antologias, tal como descrevo em pormenor em página separada.

.

Fiz três publicações individuais:

– 5X5/25 Poemas, edição de autor, chancela Sol XXI, 1990

– E no fim era a Poesia, Vega (Nova Vega), 2007

– O Livro das Actas – Cadernos vuJonga, 2016

.

***

Das comunicações que apresentei sobre Pedagogia, a que mais me agrada é sem dúvida:

“Dramatização e Pedagogia – Poesia, Música e Pedagogia”

Publiquei estudos e/ou apresentei comunicações sobre grandes Amigos: Noémia Seixas, Orlando Neves, João Orlando Travanca-Rêgo; e outros, mais recentes.

***

Prémios:

Prémio do concurso nacional de conto da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, em 1992, com o conto “O Prisioneiro”.

***

Quando era jovem, dizia quero ter uma casa à saída do pinhal, no alto da falésia, e um barco à vela pronto a zarpar, na marina. Mas fico simplesmente feliz em ter o Pinhal do Rei junto de casa, ver o Tejo a qualquer hora, da janela do escritório – e por barco, os Cacilheiros.

E aqui deixo estes poucos traços biográficos, uma vez que não gosto de ser anónima, nem sem idade! E para concluir… só falta acrescentar que em primeiro lugar, sou Algarvia – Andalusa do Ocidente! E só depois, sou Portuguesa!

O meu sítio na NET:

www.myriamdecarvalho.com

A minha página em Recanto das Letras – site brasileiro:

https://www.recantodasletras.com.br

Para o caso de alguém querer contactar-me, aqui fica o meu endereço electrónico:

myriamdecarvalho@gmail.com

.

Actualização desta página em 31 de Agosto de 2019.

4 Comments »

  1. muito interessante o percurso e a forma como é descrito.
    Uma página/blog a visitar mais.
    M.V

    Comment by manuel vasquez — April 29, 2011 @ 2:32 pm
  2. Aqui aprendemos e muito especialmente o modo como ensinar, muito importante, e a sua religião: O AMOR. ESTE É A SOLUÇÃO PARA TODOS OS PROBLEMAS.

    DDC

    Comment by Delmar Domingos de Carvalho — April 1, 2012 @ 11:56 am
  3. A par de sua vida profissional, totalmente dedicada à educação, queria cumprimentar a Myrian pela extraordinária poeta que é…

    Parabéns e um grande beijo.

    Rangel

    Comment by A. C. Rangel — June 7, 2012 @ 12:19 pm
  4. Querida Amiga Myriam,
    Ao ler teu poema, emocionei-me. Em tuas palavras há uma energia muito intensa. Obrigada pelo carinho e meus votos de Boas Festas. Abraços.

    Comment by Ilda Maria Costa Brasil — December 14, 2012 @ 6:27 pm

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a comment

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity