A Igreja e a pena de morte 

* Notas Breves — Myriam de Carvalho @ 1:40 pm

.

.

A Igreja e a pena de morte 

.
Felizmente, chegámos à Actualidade! No entanto, o combóio da Santa Madre Igreja chega atrasado.
Teve aqui na Península uma boa estação, nos séculos XV a XVIII… – e não parou…
…Aliás, teve muitas outras estações do mesmo tipo, em épocas mais recuadas, mas ia em alta velocidade, não entendeu a paisagem. Nem mesmo em Montagu, quando foi lançado fogo à igreja com as pessoas lá dentro…
.
Muito pelo contrário, descarrilou pelos Orientes, pelas Américas, e por lá deixou marcas da sua ígnea passagem…
Embora tenha tido filhos de muito boa vontade! Houve quem protegesse os Índios – claro, desde que se despersonalizassem e se convertessem aos mistérios da Cruz. Mas enfim, protegeram-nos…
.
Pelas Áfricas, fez-se mais pacata. Mandou os seus emissários a amansarem as criaturas que encontrassem, e lhes pregassem a boa nova da instalação dos iluminados. Depois, os governos seus aliados enviaram os exploradores.
.
Mas os tempos foram mudando… Surgiram os “traidores”, os filhos das “seitas”! Esses alfabetizavam, curavam, eram eficazes, e quando a ocasião surgiu, solidarizaram-se com quem lutou pela Santa Liberdade. Na América Latina, excomungou a Filosofia da Libertação.
.
Enfim, é difícil traçar uma ideia da linha férrea que a Santa Madre Igreja tem percorrido… Por vezes surgiram excepções, e até conheceu bons condutores… Este último até é simpático. Talvez por ser menos ortodoxo.
.
Só mais uma ínfima gota de água neste oceano turbulento: nunca entendi, embora num plano mais laico, por que razão a nossa Liberdade foi Santa – e a dos outros… foi crime…

© Myriam Jubilot de Carvalho

5 de Agosto de 2018

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 19 de Agosto de 2018, pelas 14h 45m

.

.

 

 

0 Comments »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a comment

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity