Lazarim – mais um inédito

* Poesia — Myriam de Carvalho @ 12:11 pm

.

.

Lazarim

.

Acordo com a chiadeira dos pardais

na praceta das traseiras

.

O sol começa a nascer

na janela da sala

E as folhas dos eucaliptos

desenham-se uma a uma

contra o céu. Imóveis,

não corre uma brisa

.

Vêm de mais longe

os ruídos da auto-estrada

.

Levanto as persianas

e abro a janela do escritório

Com o ruído, intensificam os pardais

o seu esvoaçar

de copa em copa

.

O céu começa a tomar cor

E eles começam a sua fuga diária

para longe

.

Por entre os prédios, lá mais atrás,

ainda espreitam os últimos pinheiros

dos pinhais dizimados pela urbanização

.

Oh, hoje chega até aqui

este aroma salgado, do mar

© Myriam Jubilot de Carvalho

Inédito, Julho – 2016

Foto retirada de Google Images,

da página Holidays in Costa da Caparica.

.

Publicado por

 © Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 21 de Janeiro de 2017, pelas 12 h.

.

.

Humor, ou Anti-Feminismo?

* Antologia — Myriam de Carvalho @ 1:27 am

Apanhei este cartaz no FB.

Não sei a sua origem…

Mas é de antologia!

.

.

De qualquer modo… enfim, confundir Feminismo com Lesbianismo e anti-Capitalismo… nem sequer é exagero. É Misoginia.

Claro que também me ri ao lê-lo! Está com muita piada! MAS… há sempre um MAS…, não é? Uma forma de ser “anti-“, é ridicularizar o objecto visado.

…Pode ser puro Humor… Mas há tantas piadas que correm no FB, divertidíssimas… ridicularizando e amesquinhando o Género Feminino… O Patriarcado ainda não morreu!

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 19 de Janeiro de 2017, cerca da 1h e 30m

.

.

Saudando o Ano Novo

* Poesia — Myriam de Carvalho @ 8:29 pm

Para saudar devidamente o Ano Novo de 2017, aqui fica um inédito meu,

dos idos de 1998.

.
nature_other_sprout_nature_earth_life_hope_125691_detail_thumb

Never loose hope, my dear heart,

Miracles dwell in the invisible.

If the whole world turns against you

keep your eyes on the Friend.

Rumi (1207-1273)

Esperança

.

A folha em branco na minha frente, é virtual. Vive

do compasso binário, um click

uma marca (pode ser um algarismo, uma letra, um asterisco…);

outro click – e

tudo se apaga

.

O Sol que nos visita também é virtual –

Vem de manhã, com seu brilho,

para se apagar à noite

.

Tal como a Vida, a Primavera –

Surge,

e vai embora

.

Só o Amor é eterno. Ultrapassa

as fronteiras da morte e dura

para sempre. Por

isso nos encontrámos (novamente)

.

Certa, só a Esperança –

vive desta íntima partitura em

chiaroscuro

© Myriam Jubilot de Carvalho – Inédito

8 de Janeiro de 1998

Imagem retirada do Google Images.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 8 de Janeiro de 2017, pelas 20h 30m

.

.

A Canção de Amor mais eloquente que conheço

* Antologia — Myriam de Carvalho @ 3:05 am

A canção de amor mais comovente que conheço, pertence ao folclore português. Penso que do Norte do país. Uma canção que celebra um amor total, dedicado, obsessivo.

E aqui fica na voz da grande Amália Rodrigues:

Depois o vídeo dá-nos outras canções, mas neste momento, só esta me interessa.

Quando eu era pequenina

Quando eu era pequenina
Acabada de nascer
Inda mal abria os olhos
Já era para te ver
Acabada de nascer
.
E quando já for velhinha
Acabada de morrer
Olha bem para os meus olhos
Sem vida te hão de ver
Acabada de morrer.

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 5 de Janeiro de 2017, pelas 3h.

.

.

Uma Canção de Amor para o Ano Novo

* Antologia — Myriam de Carvalho @ 2:51 am

Uma canção de amor para iniciar o ano de 2017, parece-me uma boa escolha.

Cantada pela grande voz da cantora sul-africana Miriam Makeba (1932-2008), minha homónima!

É uma canção da Tanzania, o poema em Suahili – Malaika, um original de 1974:

.

Malaika, nakupenda Malaika …………………… Angel, I love you, Angel

Ningekwoa mali we ………………………………… I would marry you, my fortune

Ningekwoa dad. ……………………………………… I would marry you, sister.

Nashindewa na mali sina we, ………………….. Was I not defeated by the lack of fortune

Ningekwoa Malaika ……………………………….. I would marry you, Angel

Pesa zasumbue roho yahgu …………………….. Money is troubling my soul

Nami nifanyeje, kijana mwenzio ……………… And I, your young lover, what can I do?

Kidege, hukuwaza kidege ……………………….. Little bird, I dream of you, little bird

Nami nifanyeje, kijana mwenzio …………….. And I, your young lover, what can I do?

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 5 de janeiro de 2017, pelas 2h 50m

.

.

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity