Um auto-retrato

* Poesia — Myriam de Carvalho @ 12:46 pm

Tenho aproveitado este tempo livre da minha Reforma para dar ordem aos meus papéis acumulados nos anos vertiginosos da minha vida profissional. Com isso, já organizei várias recolhas de Poesia, com diferentes títulos. E surpreendeu-me a quantidade de contos de que já nem me lembrava.

Assim, ando agora a preparar uma recolha de poesia satírica para a minha próxima publicação.

Esta manhã aconteceu, ao sentar-me à secretária, pôr os olhos sobre o meu livro E No Fim Era a Poesia (ed. Vega, 2007), e abri ao acaso. Surgiu este poema, que figura na página 47. Vou transcrevê-lo. Na época, eu não punha títulos nos poemas.

Mas poderia ser este…

octocedronavla

Auto-retrato

.

Eu sei que trago em mim todas as mulheres que possas

imaginar. Hibernadas. E que bastará um toque mágico

de um olhar. E a viração soprar.

E o sol brilhar.

Sei

.

que me desdobro em aurora boreal. Do rosa ao cinza,

da púrpura ao lilás. Nas infinitas refracções

da luz,

.

será que estou viva?

Porque cedi os espaços? Porque não fiz

as partilhas do

pomar?

.

Quem sabe se não guardei um canteiro, ainda

que sumido, na sombra?

Sem sol, a humidade apodrece-nos

as raízes. Assaltadas de roedores.

.

Vejo a máquina de calcular, esquecida, sobre

a mesa.

Onde estou.

Nem isso eu sou.

© Myriam Jubilot de Carvalho

.

Fonte para a imagem:

http://www.matematicasvisuales.com/html/historia/leonardo/truncatedoctahedron.html

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Dia 21 de Novembro de 2016

pelas 12h 45m

.

.

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity