Dia da África

* Poesia — Myriam de Carvalho @ 1:42 am

Passou hoje o Dia da África.

Por acaso, procurei agora à noite o canal TV5 Monde, e tive assim a oportunidade de ver um filme excelente alusivo a este tema.

Como ultimamente pouco tenho ligado o rádio, não sei que referências foram feitas a esta data. No entanto, ouvi uma entrevista na Antena 1 (salvo erro, Antena 1) que muito me desiludiu; mais valia não terem feito nada.

Deixo este poema como testemunho vivido de uma paisagem devastada pelo mau uso; mas também unindo a minha voz a todas as vozes que se erguem em nome do respeito pelo Outro, o ser anónimo, tão anónimo como nós, que se cruza connosco, os nossos irmãos e irmãs de todas as latitudes e culturas. E também respeito pela Natureza, pela conservação do Planeta. Mas acima de tudo, junto a minha voz a todas as vozes que se erguem na esperança de um futuro mais justo e solidário!

uasu-nyiru-dry-bed

.

Rios secos de África

.

Os homens desviaram o curso do rio para

assim o tornarem útil . cavaram

regos imensos para

irrigarem as imensas herdades

.

É esta a linguagem

e entendimento

dos homens .

O rio desapareceu

.

Fiéis – no entanto – as árvores

presas da magia do seu traje verde e

da alegria breve das torrentes do verão

continuam a bordejar-lhe – mantendo-as vivas – as margens – esperando

que ele volte um dia para

as beijar

.

No leito morto,

sementes caídas dos bicos dos pássaros ou das asas fecundantes do vento

germinam . lançam raízes . cientes

de alguma frescura esquiva –

.

E erguem ao sol escaldante

as mínimas

precárias folhas .

como quem chega à estação

depois de o comboio passar

.

Joanesburgo

Reserva de Mabula, Outubro de 1996

© Myriam Jubilot de Carvalho

Imagem:

Ver:

suyiantrust

http://suyiantrust.wildlifedirect.org/author/anne-powys/

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

De 25 para 26 de Maio de 2015, pelas 2h 40m

.

.

.

Edgar Morin . Sejamos irmãos

* Alandalus,* Antologia — Myriam de Carvalho @ 10:07 am

.

EdgarMorin.

“Amor, Poesia, Sabedoria” é uma publicação do Instituto Piaget que junta três comunicações de Edgar Morin.  A citação  abaixo é retirada da segunda – “A Fonte da Poesia”.

Edgar Morin nasceu em 1921, e é de origem peninsular. O seu pensamento caracteriza-se pela trans-disciplinaridade.

Selecciono esta passagem pela sua actualidade, pelo seu apelo à Paz e à preservação do Planeta.
.
“Creio que hoje seria necessário dizermos: sejamos irmãos porque estamos perdidos, perdidos num pequeno planeta dos arredores de um sol suburbano de uma galáxia periférica de um mundo privado de centro. Estamos aí, mas temos as plantas, os pássaros, as flores, temos a diversidade da vida, temos as possibilidades do espírito humano. Está aí, doravante, o nosso único fundamento e o nosso único recurso possível.”
.

Edgar Morin
“Amor, Poesia, Sabedoria”, pág 44;
Instituto Piaget,1999.

.

Publicado por

© Myriam Jubilot de Carvalho

Domingo, 17 de Maio de 2015, pelas 11h

.

.

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
(c) 2019 Por Ondas do Mar de Vigo | powered by WordPress with Barecity